sexta-feira, 29 de maio de 2015

NOVAS SOLUÇÕES PARA TROMBOSE...... Parte 2

Dissolução rápida do trombo

A medicação conhecida como trombolítica praticamente dissolve o trombo em um ou dois dias. “O trombolítico é liberado dentro do trombo através de cateteres específicos e seguindo um protocolo rígido de segurança. Como a medicação é potente, nem todas as pessoas são elegíveis para esse tipo de tratamento”, explica o cirurgião vascular e endovascular Dr. Márcio Miyamotto, com especialização nos Estados Unidos, pioneiro na utilização destas técnicas no Paraná.

Pacientes que não podem utilizar a medicação têm outra opção: mecanismos para dissolver e aspirar os trombos. “Utilizamos um mecanismo que faz a ‘quebra’ do trombo em diminutos pedaços e aspira os microfragmentos resultantes, para que não se desloquem em direção ao pulmão. A eficácia e a segurança dessa técnica já foram comprovadas pelos órgãos regulatórios”, completa o especialista.
Com a utilização de uma destas novas tecnologias, ou até das duas em conjunto, a dissolução do trombo é rápida: ocorre em poucas horas (ou até minutos), preservando a função das válvulas venosas e permitindo que as veias não permaneçam parcial ou totalmente ocluídas, dificultando o fluxo de sangue. A recuperação do paciente é muito mais rápida quando comparada ao tratamento convencional, que utiliza apenas medicações anticoagulantes.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

NOVAS SOLUÇÕES PARA TROMBOSE...... Parte 1

Dor e inchaço nas pernas são sintomas típicos de quem trabalha ou permanece sentado por longos períodos, ou então de que quem viaja longas distâncias sem poder movimentar livremente os membros inferiores. O que muitas pessoas não sabem é que esta falta de movimento pode não só favorecer o aparecimento de varizes, mas também desencadear uma condição conhecida como trombose venosa. Silencioso, esse mal muitas vezes não apresenta qualquer sintoma, mas, se não for tratado adequadamente, pode causar até mesmo a morte.

Até alguns anos atrás, o tratamento das tromboses mais extensas era realizado com uma medicação anticoagulante. A substância não dissolve o trombo (coágulo na veia), mas permite que o próprio organismo o dissolva com segurança, auxiliando num processo que pode variar de alguns meses até dois anos. Porém, não são todos os pacientes que conseguem a total resolução do problema com esse método.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

SAIBA MAIS SOBRE TROMBOSE VENOSA PROFUNDA.

O QUE É A TVP??


A trombose venosa profunda (TVP) consiste na formação de um coágulo (trombo) no interior de veias profundas dos membros inferiores (pernas e pés), interrompendo parcial ou totalmente o fluxo do sangue. Uma das complicações é a embolia pulmonar, que pode ser fatal.

PRINCIPAIS CAUSAS


Três situações favorecem o problema.

  • A primeira é a chamada estase venosa, quando a velocidade do fluxo de sangue nas veias diminui. São exemplos desse estado o pós-operatório e pós-parto, a insuficiência dos vasos (varizes) e pacientes que permanecem deitados por longos períodos. “A imobilização prolongada é fator de risco para toda a população”, esclarece o médico José Ricardo Pécora, do Grupo de Joelho do Instituto de Ortopedia e Traumatologia (IOT) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. 
  • O segundo risco é o da hipercoagulabilidade, ou seja, uma maior predisposição de algumas pessoas para formar coágulos. Pode resultar de herança genética, mas também do tabagismo,do uso prolongado de contraceptivos orais, doenças como o câncer ou de cirurgias de grande porte. 
  • O terceiro fator de risco é por lesão na camada interna dos vasos sanguíneos.

sexta-feira, 8 de maio de 2015

DIABETES, CÂNCER E OBESIDADE AUMENTAM O RISCO DE TROMBOSE

VOCÊ SABIA QUE QUE..... DIABETES, CÂNCER E OBESIDADE AUMENTAM O RISCO DE TROMBOSE???

Viagens longas [especialmente as aéreas], idade avançada, histórico familiar, varizes, uso de anticoncepcionais, gravidez, diabetes, câncer, obesidade e tabagismo são apenas alguns dos fatores de risco para o aparecimento da trombose. Nesta segunda-feira (13), primeiro ano de comemoração do Dia Mundial da Trombose, especialistas chamam a atenção para o tratamento e a prevenção da doença.

Durante o II Encontro Latinoamericano de Manejo das Doenças Tromboembólicas, que aconteceu no fim de setembro no Panamá, a oncologista Sylvia Haas, professora de Medicina da Universidade Técnica de Munique, na Alemanha, explica que a trombose venosa pode afetar qualquer parte do corpo.

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Novidades no Tratamento da TVP

Maffei, F. H. A .;

O tratamento da trombose venosa profunda (TVP), embora bem estabelecido há anos, vem sofrendo aperfeiçoamentos e modificações visando aumentar sua eficácia, segurança, qualidade de vida do paciente e facilitar seu manuseio. Essas modificações basearam-se inicialmente na prática clínica e, mais recentemente, principalmente em ensaios clínicos controlados e metanálises com grande número de pacientes.

No tratamento inicial, surgiu o encurtamento do tempo de heparinização, depois a utilização das heparinas de baixo peso molecular, seguida pela do fondaparinux, que diminuíram o número de injeções e a necessidade de controle laboratorial. Mais recentemente surgiu a possibilidade de substituir a via parenteral pela oral, com a rivaroxabana. Para casos muito selecionados de trombose íliofemoral, surgiu a possibilidade de complementação da fibrinólise farmacológica pela trombólise mecânica.

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Tratamento para trombose cerebral.

O tratamento para trombose cerebral deve ser feito o mais rápido possível no hospital, uma vez que é necessário tomar injeções de anticoagulantes para dissolver o coágulo que está entupindo a artéria do cérebro.

Após o tratamento, o paciente tem de ficar internado entre 4 a 7 dias para que seja feita observação constante do seu estado de saúde, pois existe maior chance de sofrer uma hemorragia interna ou voltar a ter uma trombose cerebral.

Dependendo do tempo que durou a trombose cerebral podem surgir sequelas, como paralisia ou problemas de fala, devido às lesões provocadas pela falta de oxigênio no cérebro. Por isso, o médico poderá aconselhar consultas de fisioterapia ou terapia da fala, por exemplo, para ajudar o paciente a recuperar algumas das capacidades que perdeu.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

O que você queria saber sobre Trombose cerebral.

A trombose cerebral é um tipo de acidente vascular cerebral (AVC) que acontece quando um coágulo de sangue entope uma das artérias do cérebro, podendo levar à morte ou gerar sequelas como dificuldades na fala, cegueira ou paralisia.

Geralmente, a trombose cerebral é mais frequente em idosos com pressão alta ou aterosclerose e em mulheres que tomam anticoncepcional. No entanto, também pode surgir trombose cerebral em jovens devido a excesso de peso, alimentação rica em gorduras ou falta de exercício físico regular.

A trombose cerebral tem cura, especialmente quando o tratamento é feito nos primeiros 45 minutos após o surgimento dos sintomas, porém o risco de sequelas irá depender da região afetada e do tamanho do coágulo.