quinta-feira, 23 de julho de 2015

Recomedações para uso domiciliar da heparina (HBPM) - 2

Olá, pessoal!
No post passado (veja aqui) começamos a falar dos 10 passos a serem seguidos para a aplicação HBPM. Neste post você terá mais passos a seguir!


4. Limpe a área que você escolheu para a sua injeção com um pedaço de algodão com álcool. Deixe a área secar.

5. Enquanto a área está secando, retire cuidadosamente a capa da agulha da seringa de HBPM e a descarte.
A seringa já contém o medicamento e está pronta para ser usada. Não aperte o êmbolo antes da injeção para eliminar a bolha de ar ou o medicamento poderá ser perdido.
Para manter a agulha estéril depois de você ter removido a capa, não a abandone ou a toque.
Lembre-se: Peça orientação ao seu médico em relação à posologia correta e consulte a tabela no final deste manual.

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Recomedações para uso domiciliar da heparina (HBPM) - 1

Não tome nenhum medicamento sem o conhecimento de seu médico.
Procure seu médico sempre que houver dúvida sobre algum medicamento

GUIA DE TRATAMENTO DOMICILIAR COM HEPARINA DE BAIXO PESO MOLECULAR (HBPM)
COMO USAR HEPARINA DE BAIXO PESO MOLECULAR (HBPM)? COMO EU REALIZO A AUTO-INJEÇÃO DE HBPM?

Você deve receber as instruções de seu médico sobre o uso correto de HBPM e a técnica correta de utilização antes de aplicar a injeção em você mesmo pela primeira vez. Se você tiver quaisquer perguntas sobre o medicamento ou como fazer a auto-administração apropriadamente, por favor entre em contato com seu médico.

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Existem Outros Tratamentos Para Trombose?

Sim! O uso de medicamentos “fibrinolíticos” que destroem o trombo. São no entanto pouco utilizados no nosso meio pelo seu alto custo e devido a reações hemorrágicas que podem provocar.

Há também a cirurgia que retira o trombo. É reservada para casos especiais, como aqueles de trombose com o risco de gangrena (necrose).

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Como se Trata a Trombose?

TRAREMOS PARA VOCÊS ALGUMAS NOVIDADES NOS PRÓXIMOS MESES: PRESTEM ATENÇÃO!


O tratamento mais indicado e mais comum para a trombose venosa profunda é com anticoagulantes. A trombose venosa profunda se caracteriza pela formação de trombos (coágulo) no interior das veias. Desta forma, estes medicamentos tem como função impedir que o trombo continue progredindo evitando os riscos das complicações da doença.

terça-feira, 30 de junho de 2015

Complicações Vasculares - Parte II

Embolia de Pulmonar

A chamada Embolia Pulmonar ocorre quando um pedaço do coágulo que se formou no interior das veias profundas da perna se solta e atinge os vasos sanguíneos dos pulmões. Dependendo do tamanho do coágulo que se desprendeu e da área atingida, a pessoa pode não sobreviver. No caso de varizes, embora possa ocorrer a Embolia Pulmonar é felizmente, uma rara ocorrência.

Dermatite Ocre

A dificuldade que o sangue tem para retornar para o coração nos casos de varizes, acaba gerando o que chamamos de estase sanguínea. A Estase Sanguínea provoca uma série de alterações nos membros inferiores, principalmente na parte mais distal. Ocorre migração para a pele de elementos do sangue, e que acabam se fixando em locais onde não deveriam estar. A presença de ferro, derivado da hemoglobina do sangue, acaba por dar um aspecto escuro, enferrujado na pele da perna ou tornozelo, chamada "Dermatite Ocre".

terça-feira, 23 de junho de 2015

Complicações Vasculares - Parte I

Tromboflebites

O sangue deve fluir por dentro dos vasos, sem interrupções. Entretanto, quando ocorre uma hemorragia, como num acidente, ou provocada por alguma doença , ou mesmo sangramentos controlados como os de qualquer cirurgia, o corpo lança mão de várias proteções que tentam controlar esta situação que coloca a vida em risco. A mais importante é o sistema de coagulação. A coagulação então é uma coisa boa, quando ocorre para proteção. Mas em determinadas situações este sistema de coagulação pode ser desencadeado erroneamente e causar sérios problemas.

Quando uma veia tem suas paredes doentes, como nas varizes, ou se o sistema que faz o sangue circular, a bomba venosa da panturrilha, está com pouca ação, como no repouso forçado por doenças ou viagens prolongadas, podem ocorrer as Tromboses Venosas.

terça-feira, 16 de junho de 2015

Não Subestime a Trombose - Parte II

Muitos fatores de risco para o desenvolvimento da trombose

A forma mais conhecida da doença é provavelmente a trombose decorrente de viagens, que pode ocorrer depois de permanecer sentado por longos períodos em voos de longa distância. No entanto, os pacientes confinados ao leito, talvez após uma cirurgia, também correm risco de desenvolver trombose. Estima-se que 6,5 milhões de pessoas morram a cada ano em todo o mundo em virtude das consequências destes embolismos.

Outras doenças também podem agravar o risco de trombose: uma é a fibrilação atrial, um distúrbio do ritmo cardíaco, no qual o coração não funciona adequadamente. Uma quantidade residual de sangue eventualmente é deixada para trás no coração e coagula; se o trombo for transportado de lá para o cérebro, há risco de aparecimento de acidente vascular cerebral. Os coágulos sanguíneos também podem se formar nas artérias. O risco de obstrução é mais sério com o estreitamento dos vasos em virtude de calcificação (aterosclerose). Se os vasos coronarianos são afetados, o resultado pode ser um ataque cardíaco ou infarto.